DBS em Salas Híbridas: a Ressonância Magnética na sala de cirurgia

As cirurgias para tratamento da Doença de Parkinson, do Tremor Essencial e da Distonia requerem extrema precisão. O implante do eletrodo de estimulação elétrica ou a aplicação de uma pequena lesão na profundidade do cérebro devem ser feitas no local exato do cérebro para obtermos o resultado perfeito. Neste contexto, necessitamos de imagens de Ressonância Magnética do Cérebro de alta definição espacial. Alguns hospitais em São Paulo oferecem Ressonância Magnética dentro da sala de cirurgia (as chamadas Salas Híbridas). Deste modo, podemos repetir o número necessário de imagens de Ressonância em tempo real, isto é, durante a cirurgia (Figura 1). A cirurgia em Sala Híbrida permite a correção de pequenos erros que podem acontecer durante o tempo cirúrgico. Quando associada a outras técnicas de Eletrofisiologia, alcançamos uma precisão cirúrgica máxima. Além disso, as imagens em tempo real permitem comparar o planejamento cirúrgico realizado pré-cirurgia com aquilo que foi executado de fato (vídeo abaixo). O resultado final é uma cirurgia de precisão máxima, com o melhor resultado possível.